¨ ˇ ˇ ¨

°°°

quinta-feira, julho 07, 2005

Anarquia!

Image hosted by TinyPic.com

Achei os desenhos no site Liberty for the People, que faz parte do portal flag.blackened.net. Lá tem muuuita informação sobre o Anarquismo e sua história.
Image hosted by TinyPic.com

Já viu Huff?

Image hosted by TinyPic.comImage hosted by TinyPic.com


Adoro!

A primeira temporada terminou semana passada, mas vai ser reprisada. A série tem um elenco ótimo! Imperdível :)

A&EMundo - Segunda às 21.00

Em tempo: Reprise: Terça - 2.00 e Domingo - 21.00 e meia-noite

quarta-feira, julho 06, 2005

Hospedagem de filminhos

Transcrevo aqui o post da Cora e as ótimas e utilíssimas dicas que o Eduardo Stuart deu na janelinha de comentário lá do internETC:

Post da Cora:

Pergunta

Pessoas, alguém conhece um bom site grátis, ou pelo menos bem baratinho, de hospedagem e download de filminhos?

Explico: volta e meia recebo ótimas coisas pela internet que gostaria de mostrar para vocês, mas que vêm como anexos. Até aqui não achei nenhum site que seja simples de usar, tanto por mim quanto por quem vai fazer o download: uns exigem cadastros complicados, outros são demoradíssimos, outros ainda abrem mil pop-ups perigosos.

Agradeço antecipadamente qualquer sugestão!


Comentário do Eduardo:

Oi, Corinha!

A quantidade de serviços de hospedagem expressa aumentou muito nos últimos meses. E como ela é expressa, não é necessário fazer nenhum tipo de cadastro. Olha só alguns dos mais populares:

RapidShare: fornece 50Mbytes de espaço e tráfego (aparentemente) ilimitado. O envio dos arquivos é feito via o navegador e o arquivo pode ficar hospedado por meses a fio, se não deixar de ser acessado por mais de 30 dias. O único problema é que nem todo mundo que pretende transferir os arquivos sabe que o endereço aponta para uma página do RapidShare e não para o arquivo em si, causando uma certa confusão para quem trabalha com gerenciadores de downloads. Ele também limita o volume de arquivos transferidos por cada usuário, de modo que às vezes é necessário esperar mais ou menos uma hora para poder transferir mais arquivos. Mas é um bom serviço e tem se mostrado bastante sólido. Para usá-lo gratuitamente, é só colar o endereço do arquivo, aguardar a página ser exibida e clicar no botão "Free". Em segundos os arquivos estarão prontos para serem transferidos.

Mega Upload: O principal concorrente do RapidShare. A interface e os modos de operação são quase idênticos, mas ele permite o envio de arquivos com até 500Mbytes (meio giga!).

Ainda tem outros serviços similares, aguarde só um pouquinho para que possa reuní-los em um só texto.



Continuando... =)

Para hospedar apenas vídeos, imagens e clips em Flash, o PutFile é uma ótima opção. Mas os limites relacionados ao tamanhos dos arquivos podem impedir que alguns arquivos sejam compartilhados: 10Mbytes para vídeos e 2Mbytes para imagens. Os endereços resultantes das imagens podem ser referenciadas diretamente (como no corpo de uma página da internet, por exemplo), mas os vídeos somente poderão ser transferidos/exibidos através de uma página do serviço. Uma troca justa, já que são os anúncios exibidos nessa página que patrocinam o serviço. Os arquivos podem permanecer nos servidores até 6 meses após o último acesso.

Mas se o desejo mesmo é compartilhar vídeos/músicas/imagens sem se preocupar com tamanho, não há nada melhor do que o OurMedia. Mantido pelos mesmos criadores dos Internet WayBack Machine e estando ainda em fase de testes, ele já permite que os usuários enviem seus arquivos, que pode ser feito via navegador ou através de um freeware oferecido por eles (ideal para transferir arquivos maiores que 10Mbytes). O cadastro, neste caso, é necessário, mas o serviço é totalmente gratuito e o usuário ainda ganha um blog para publicar textos e disponibilizar seus arquivos de modo organizado.

Enviar arquivos para um determinado amigo também pode ser uma boa idéia. Mas anexá-los aos e-mails não é uma boa idéia, por vários motivos. Nesse caso, o melhor é usar um servidor como intermediário, que armazenará o arquivo por um breve período de tempo até que o destinatário tenha chance de transferí-lo (se assim desejar). Um dos serviços mais famosos é o YouSendIt, que permite a hospedagem de arquivos com até 1Gbyte. O tempo de permanência dos arquivos é de apenas 7 dias ou 15 transferências, o que acontecer primeiro. Mas quebra um galho, principalmente quando você não deseja compartilhar um arquivo e sim passá-lo para um amigo. Outro serviço que segue o mesmo molde é o Simple Share.

E não pára por aí. Existem outras dezenas de boas alternativas. Mas essas são as mais populares e até então não tive nenhum tipo de problema com eles.

Um grande beijão!


Para enviar arquivos eu costumo usar o Dropload. O YouSendIt parece que tem alguma incompatibilidade com o mac.

segunda-feira, julho 04, 2005

paulo leminski

Image Hosted by ImageShack.us


minha memória evapore-se
feito a água
de uma lágrima

minha lembrança se vá
sem deixar lembrança alguma
em seu devido lugar

se um dia eu esquecer
que você nunca me esquecerá


Trouxe lá do Primado do Opinante.

Roubo de Dados

Copy&Paste: JB


Cartões de crédito à solta

Roubo de dados pessoais pode ter atingido a base brasileira de clientes, afirma Visa



O anúncio do roubo de dados de 40 milhões de clientes Visa e Mastercard, que pode ser o maior da história, pegou de surpresa especialistas do mercado de segurança. As informações foram furtadas do banco de dados da CardSystems, empresa terceirizada que administra as transações das administradoras de cartão de crédito.

- Fiquei surpreso com este ataque. Não esperava que algo assim ainda acontecesse. As empresas investiram muito em segurança, mas as quadrilhas também se profissionalizaram - afirma o diretor de Tecnologia da Internet Security Systems (ISS), Marcelo Bezerra.


As investigações estão sendo conduzidas pela polícia federal americana, FBI. A Visa, no entanto, afirmou ao Jornal do Brasil que é possível que a base brasileira de clientes tenha sido atingida. De acordo com a executiva de Comunicações Corporativas da administradora, Guadalupe Hugoni, a fraude atingiu 100 mil clientes de 38 regiões da América Latina e Caribe.


- Considerando que este número está dividido entre 18 países e 20 ilhas do Caribe, o impacto em cada mercado foi mínimo. Só no Brasil, por exemplo, existem 28,5 milhões de cartões de crédito Visa - completou Hugoni.


A Mastercard não informou a abrangência do ataque, mas afirmou que as informações mais críticas, como números de seguridade social, não foram roubadas. Os principais dados roubados foram o número da conta bancária e do cartão de crédito.

- Se os usuários dos cartões da Mastercard tiverem alguma razão para crer que seus cartões foram usados de forma fraudulenta, devem contactar o banco que expediu o cartão - informa nota divulgada pela administradora.


Esta também é a orientação da Visa, que informou ainda que, até agora, não foram identificadas atividades irregulares ou fraudulentas nas contas afetadas pelo roubo de dados.


De acordo com a advogada especialista em contratos eletrônicos, Thais Cordeiro, clientes brasileiros vítimas da fraude devem notificar o banco que emitiu o cartão no Brasil, solicitando o ressarcimento dos valores cobrados indevidamente. Caso não haja acordo com o banco, o consumidor pode acionar a administradora na justiça.


- Não há limite para a indenização, depende dos danos causados ao consumidor. O ônus da prova é invertido, ou seja, quem deve provar estar certo é a administradora do cartão, mas se o cliente tiver provas, como testemunhas e notificações de cobrança, ajuda a corroborar sua versão - explica Thais.


A advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Maíra Feltrin, aconselha ainda a troca do número do cartão.


- Caso o consumidor pague a conta com cobrança indevida, deve receber o valor em dobro - completa.


Desde 2001, tanto Visa quanto Mastercard têm programas de certificação de segurança, chamado Payment Card Industry Data Security Standard (PCI). Para receber a certificação, é necessário atender a 12 requisitos de segurança, todos atendidos pela CardSystems, em junho de 2004. É necessário, por exemplo, restringir o acesso ao centro de dados somente a pessoas autorizadas e manter uma identificação pessoal de quem tem acesso às informações para permitir o monitoramento.


Exigências como estas são medidas preventivas para evitar ataques, já que atualmente novos perfis de ataques são montados tão rapidamente que um sistema programado apenas para reagir pode ser insuficiente. Para garantir o sucesso de uma segurança preventiva, no entanto, é preciso investir nas pessoas que acessam o sistema, além da preocupação nas ferramentas tecnológicas. No caso do roubo de informações da Visa e da Mastercard, não está descartada a possibilidade de envolvimento de algum funcionário da CardSystems.


Segundo especialistas, o roubo de dados pode ter ocorrido com a invasão de um hacker, se aproveitando de uma vulnerabilidade no sistema, por atividade de algum funcionário ou com recurso à engenharia social ou ao phishing - o envio de links para homepages que simulam páginas reais.


Nos dois últimos casos, o treinamento de funcionários poderia evitar o incidente. A engenharia social utiliza técnicas para convencer funcionários a entregar informações como senhas, dados pessoais e outras informações confidenciais.



por Marcela Canavarro